CLIQUE NO BANNER E CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO NATAL DE GARANHUNS

Mande seu currículo

Mande seu currículo
SELEÇÃO EM GARANHUNS E REGIÃO. MANDE SEU CURRÍCULO

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Governo Municipal de Garanhuns divulga nota de esclarecimento sobre decretação do Estado de Greve por parte dos professores da Rede Municipal


A Prefeitura Municipal de Garanhuns se manifestou a respeito do Estado de Greve decretado pelos Professores municipais na semana passada. Uma paralisação está prevista para esta quarta, 30 de agosto. Na nota, A Secretaria de Educação respondeu a todos os questionamentos feitos na assembleia que votou pela decretação do Estado de Greve.  Reforçou que os 200 dias letivos para o aluno estão garantidos, refutou a acusação de canal fechado para o diálogo e ainda disse que iria apurar a denúncia de assédio moral  levantada pelos professores. CONFIRA A ÍNTEGRA DA NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO  ESTADO DE GREVE
A respeito do estado de greve decretado por alguns professores de Garanhuns, a Secretaria de Educação do município vem a público esclarecer alguns desses pontos. A situação da Educação de Garanhuns, bem como em todo o país, é e sempre foi delicada. Porém, o diferencial de quando se faz uma gestão participativa é que todos podem se manifestar. E esta é uma característica da gestão atual da pasta. A equipe à frente da Secretaria de Educação se disponibiliza, desde o início deste período de tensão, para o diálogo e a busca de alternativas para resolver o impasse. Pois, nenhuma discussão é saudável e lógica se não houver a intenção resolutiva ao invés de combativa por si só. A busca do direito é justa, mas o direito do aluno também precisa ser preservado.

Sigamos aos pontos questionados na última postagem:

OS 200 DIAS LETIVOS
Os 200 dias letivos dos alunos estão sendo assegurados sim. Isso porque são desenvolvidas atividades intracurriculares de forma alternada para a promoção de aprendizagem. A parte do currículo diversificado já existia no planejamento pedagógico das escolas com contação de histórias em sala, visitas técnicas, Maria da Penha Vai à Escola, Escola no Cinema, AMSTT, salas de leitura. Tudo estava no planejamento, apenas foi reorganizadao para as terças-feiras.  Nos dias em que eles estão em sala e não há professores ministrando aulas (por conta da paralisação), os supervisores e equipe gestora, que também são professores, planejam as aulas e as executam. Assim, são mantidos os alunos em sala de aula e no ambiente escolar, onde muitos deles têm a única refeição do dia com qualidade e onde, através da frequência, garantem que as famílias recebem benefícios sociais. É uma questão bem mais ampla do que pode parecer se olhada de forma superficial. Sendo assim, ninguém está sendo prejudicado com a ampliação da aprendizagem por meio de atividades transdisciplinares. Na verdade, são beneficiados, numa análise mais profunda.

REFORMULAÇÃO DO PCCR
O PCCR está sendo analisado e reformulado por uma comissão de 11 professores que representam todos os segmentos, inclusive sindicalistas. A comissão para a formulação do PCCR  é paritária. Então, caso aumente a participação do Sindicato também será obrigatório aumentar a participação de todos os outros. Uma discussão com tantos participantes pode não ser conclusiva e não ser satisfatória para a comunidade escolar.

RECOMENDAÇÃO DO MPPE
Atender à recomendação do MPPE vai de encontro ao artigo 37 do PCCR, que foi criado pelos próprios professores e sancionado pelo Poder Executivo em 2010. O atual posicionamento visa cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal.

SOBRE A FALTA DE DIÁLOGO
Acusar a Secretaria de Educação de falta de diálogo ou de abertura é errôneo, visto que a gestão sempre esteve aberta a ouvir sugestões viáveis. A secretária de Educação, Eliane Simões, se disponibilizou pessoalmente para atender a cada um, de forma propositiva. Foram solicitadas ao próprio Sindicato as propostas, mas o que a Secretaria recebeu foi uma imposição por parte do Sindicato, que não abria negociação, tampouco apresentava uma solução realmente viável.

A QUESTÃO DAS 150 HORAS / AULA
Quanto ao questionamento das horas, a Secretaria esclarece que o concurso foi realizado para 150 horas/aula os aprovados assinaram o contrato concordando com a informação que já constava no edital e não há o que se discutir no momento quanto a esse fato. O concurso foi para 150 horas/aula, portanto, seguindo o edital com o qual todos concordaram, deve-se trabalhar 150 horas/aulas e receber por 150 horas/aulas.

O SUPOSTO ASSÉDIO MORAL
Quanto ao assédio moral, a Secretaria de Educação desconhece tal ato e se coloca à disposição, mais uma vez, para receber denúncias e provas, de forma sigilosa, caso o professor prefira, para apurar os fatos e punir quem está assumindo essa postura. Assédio não será aceito sob nenhuma hipótese.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESTÁ ABERTA AO DIÁLOGO
Vale salientar que encontramos soluções para as terças-feiras, quando há a parada semanal, e agora alguns professores decidiram decretar oficialmente estado de greve. De toda forma, vamos continuar buscando alternativas para que os alunos não sejam prejudicados. Afinal, é essa a nossa responsabilidade: formar cidadãos de bem e fornecer conhecimento para que eles sigam sempre além. Mais uma vez, a Secretaria volta a afirmar que está disponível para diálogos propositivos e que continuará enfrentando todos os desafios da Educação, que são muitos. A Educação de um município é um dos pilares para a construção de uma sociedade mais justa e a gestão da pasta está empenhada em colaborar com essa construção de forma viável.

Professores decretaram estado de greve semana passada


PARA CONFERIR AS REIVINDICAÇÕES DOS PROFESSORES, BEM COMO OS DETALHES SOBRE O ESTADO DE GREVE, CLIQUE AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens ofensivas não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...