CLIQUE NO BANNER E CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO NATAL DE GARANHUNS

Mande seu currículo

Mande seu currículo
SELEÇÃO EM GARANHUNS E REGIÃO. MANDE SEU CURRÍCULO

sábado, 11 de novembro de 2017

NÃO COMETEMOS IRREGULARIDADE: Prefeito de Correntes se pronuncia sobre recomendação do Ministério Público quanto ao uso de verbas do extinto Fundef

Edimilson da Bahia: Foto- Carlos Eugênio

O prefeito de Correntes, Edimilson da Bahia, entrou em contato com o V&C na manhã deste sábado, 11 de novembro, para prestar esclarecimentos sobre a recomendação do Ministério Público de Pernambuco para que o gestor se abstivesse de realizar quaisquer gastos com verbas advindas do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), em áreas que não sejam relativas à educação.  

Segundo o MPPE, o município de Correntes esteve recebendo quantias de dinheiro decorrentes de diferenças de repasse do Fundef e, de acordo com a recomendação do MPPE, os recursos, que deveriam ter sido destinados à manutenção da educação, eram utilizados como pagamento de honorários de um escritório de advocacia contratado pelo município, o que caracteriza este ato, no entendimento da Promotoria de Justiça, como improbidade administrativa.

Em seu esclarecimento, o prefeito salientou que o Governo Federal, quando depositou os recursos relativos aos precatórios nas contas da Prefeitura de Correntes também fez o pagamento ao escritório de advocacia mencionado na recomendação do MPPE.  "Quero deixar bem claro para a população de Correntes que o município não gastou nenhum recurso com escritório de advocacia oriundos da verba relacionada ao Fundef"', pontuou o gestor correntino. 

Bahia ainda frisou que o MPPE apenas fez uma recomendação ao município que ele administra, como fez a todos os municípios que receberam recursos do Fundef. "Estamos com o recurso em conta, aplicado e com rendimento para o município. Iremos investir totalmente em educação, de acordo com as normas vigentes e também com a recomendação do Ministério Público", concluiu.

ENTENDA O CASO CLICANDO AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens ofensivas não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...