sábado, 9 de maio de 2015

Crianças trocadas no Dom Moura há 16 anos decidiram viver com mães de coração, mesmo já tendo conhecido mães biológicas

famílias aguardam indenização de 300 mil reais pelo erro
Mães biológicas são chamadas de 'madrinha' pelos meninos (Foto: Paula Cavalcante/ G1)

Quando assistia pela televisão a histórias de bebês trocados na maternidade, a agricultora Maria do Carmo Ferreira dos Santos imaginava que, caso isso acontecesse com ela, iria procurar o biológico e querer ficar com ele. Mesmo avaliando assim, jamais percebeu que um dos quatro filhos não era o que havia dado à luz, em 1998, no Hospital Regional Dom Moura, em Garanhuns, Agreste pernambucano. Ela descobriu a situação há mais de dez anos, mas, não por acaso.

Em outro parte da cidade, a comerciante Josenalda Oliveira Bernardo, de 44 anos, chegou à conclusão de que o mais novo dos três filhos não era o mesmo que tinha carregado no ventre. Ele fez um exame e a mãe descobriu que o tipo sanguíneo era diferente dos demais. Então, ela decidiu fazer um teste de DNA e confirmou que o menino foi gerado por outra mãe.

Com a nova informação, a angústia e o instinto materno fizeram as buscas começarem. Josenalda saiu de porta em porta procurando a outra família até descobrir que eles também moravam em Garanhuns. Devido à descoberta, as duas mães passaram por momentos de depressão e pela sensação de injustiça. Porém, decidiram continuar com as crianças que estavam. “A partir do momento que você sai do hospital, você já está apaixonado pela criancinha. Eu já saí apaixonada por ele”, lembra a comerciante.


Os meninos estão com 16 anos e Josenalda relata que as duas mães trocam experiências sobre eles. “A gente escolheu o melhor jeito de viver. Primeiro veio o sofrimento, depois veio o amor dobrado”. Desta forma, já não fazia mais sentido o que Maria do Carmo imaginava, ao ver pela TV os casos de trocas de bebês. “Não é bem assim. O amor de mãe fala mais alto. O amor do dia a dia. Eu criei ele desde o momento que nasceu, amamentei, cuidei, amei. Aí, existe aquele vínculo realmente de mãe e filho. Mesmo ­não sendo o meu filho de sangue, ele é meu filho de coração”, afirma Maria do Carmo, atualmente com 53 anos.

Para Lucas Ferreira, filho biológico de Josenalda, e para José Ronaldo Bernardo, de Maria do Carmo, ter duas mães assim ainda é um pouco complicado. O primeiro já ouviu comentários maldosos e reforça o ensinamento da mãe de criação: "Ela disse 'Nem ligue. Você é meu filho e pronto!'" É com orientações como esta que eles conseguem superar, ao lado das mães de criação e das "madrinhas" - como são chamadas as biológicas. "Mãe é mãe e não pode deixar de ser", diz José Ronaldo.

Bebês foram trocados na maternidade de um hospital de referência regional (Foto: Paula Cavalcante/ G1)



Indenização
O governo de Pernambuco foi condenado a pagar R$ 300 mil pela troca dos bebês. Cada família deverá receber R$ 150 mil. De acordo com o juiz da Vara da Fazenda Pública de Garanhuns, Glacidelson Antônio da Silva, o estado já esgotou todos os recursos.

“O STJ [Supremo Tribunal de Justiça], assim como a primeira instância e o TJPE [Tribunal de Justiça do estado], reconheceu o dano causado às famílias. O processo deve agora voltar para o TJ, que vai nos encaminhar. Quando isso ocorrer, iremos começar a cobrança dos valores”. Ainda de acordo com o juiz, a previsão é de que o valor seja pago, no mínimo, a partir de 2017.

Para Maria do Carmo, o valor da indenização não muda toda a história vivida. “O que mudou é que, assim, eu fiquei sabendo que tinha mais um filho. E o lugar desse filho está vazio. Mesmo eu sabendo onde ele mora, o lugar dele ficou vazio. São cinco filhos, mas um filho não substitui outro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens ofensivas não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
RSS Feedrss

 
Powered by Blogger