CLIQUE NO BANNER E SEJA REDIRECIONADO PARA O SITE DA PREFEITURA

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Deputado e vereador denunciam aumento de abate clandestino em Garanhuns e pedem providências à Adagro

Foto ilustrativa

Uma solicitação do deputado estadual Silvio Costa Filho, endereçada a Adagro, e a CPRH - Agência Estadual de Meio Ambiente, pede providências no sentido de que, tanto a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco, quanto a CPRH exerçam uma maior fiscalização dos abates clandestinos de animais que vêm ocorrendo no município de Garanhuns. 

Silvio Costa Filho
De acordo com a indicação publicada no Diário Oficial, o requerimento foi encaminhado ao parlamentar pelo vereador José Ary Souto Leal Júnior, o Ary Júnior, e denunciava a existência de diversos abatedouros clandestinos instalados em Garanhuns. 

Na Alepe, Silvio solicitou que a ADRAGO tenha uma atuação mais presente nesses abatedouros que estão funcionando de forma livre e sem qualquer tipo de fiscalização por parte dos órgãos de competentes. "Para além dos fatos narrados, temos uma diminuição nos abates realizados pelo Matadouro Municipal devidamente regulamentado, onde registravam o abatimento de 200 animais semanalmente, e hoje, perfazem apenas um percentual de 30% de animais abatidos, representando, assim, maior preocupação com a qualidade dos produtos que são consumidos pela população de Garanhuns e região", frisou o parlamentar. A indicação foi protocolada na Mesa Diretora da Alepe no último dia 14 de novembro. 
Ary Júnior

PROBLEMA RECORRENTE
O problema do abate clandestino em Garanhuns é antigo e já foi motivo de preocupação para o Ministério Público que realizou audiências com a sociedade para tratar da delicada questão. 

Na ocasião, o promotor Alexandre Bezerra, da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania, que conduziu uma das audiências em 2016, sugeriu a possibilidade de que quem incorresse nesse tipo de delito fosse preso em flagrante com a mercadoria apreendida. Também foi acordado que barreiras sanitárias seriam montadas nos acessos a Garanhuns para evitar a entrada e comercialização de carnes sem procedência e através de transportes inadequados, como destacado em publicação do blog de Carlos Eugênio, à época. CLIQUE AQUI E RELEMBRE


RISCOS À SAÚDE E PREJUÍZOS 
Segundo estudo, a clandestinidade dos abatedouros é definida por duas condições: a não fiscalização pelo serviço de inspeção sanitária e a sonegação fiscal, que muitas vezes ocorrem simultaneamente. Ainda segundo o estudo, há diversos custos derivados do abate clandestino, que ultrapassam o não recolhimento de impostos e a concorrência predatória sobre as empresas que operam legalmente. 

A ingestão de carne contaminada é causa de diversas doenças, com custos diretos aos sistemas de saúde e indiretos à capacidade de trabalho. Por isso, há esforços diversos para a elaboração de normas e portarias, que têm entre os seus objetivos os de inibir e eventualmente extinguir o abate ilegal. Mesmo diante desses esforços, o subsistema de abate clandestino mantém-se competitivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens ofensivas não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...